E-mailE-mail: bernadetepupo@hotmail.com SkypeSkype: bernadete.pupo1 MSNMSN: bernadetepupo@hotmail.com OrkutOrkut LinkedinLinkedin FacebookFacebook RSSRSS

"A melhor maneira de predizer o futuro é criá-lo."

Peter Drucker

Artigos

Desemprego entre jovens

Home >> Artigos >> Jornais >> Desemprego entre jovens

MARIA BERNADETE PUPO/ Gerente de Recursos Humanos

Pesquisa do Dieese mostra que 45,5% do total de desempregados brasileiros têm entre 16 e 24 anos. Este dado comprova que as mudanças ocorridas nos últimos anos culminaram na desestruturação do mercado de trabalho, em âmbito mundial, o que afetou, em especial, os jovens que começam a entrar nesse mercado. Essa realidade desencanta justamente o jovem que sonha, como seus pais, entrar numa grande empresa como trainee, ser treinado e desfrutar do conforto e da segurança do emprego estável.

Isso está se tornando raridade. Além da redução das contratações formais, muitos empregadores dão preferência aos funcionários experientes, justamente para não investir em treinamento. Enquanto isso, o jovem luta para conciliar o emprego, necessário para a sua sobrevivência, com o aprendizado acadêmico, indispensável para conseguir ou manter o trabalho.

Nesse contexto está circunscrito o processo de transição da idéia de emprego para o de empregabilidade. É um novo conceito, que consiste na capacidade de obter função e remuneração que independam de vínculos empregatícios. Diante dessa realidade, talvez um dos caminhos seja a educação para o empreendedorismo, tendo em vista o fato de que o emprego vem deixando de ser a única forma de obtenção de renda.

A mesma pesquisa do Dieese mostrou que as taxas de desemprego são muito inferiores entre os jovens com maior poder aquisitivo: 22,1% em São Paulo, 26,5% em Belo Horizonte, 31,1% em Recife e 34,4% em Salvador. Podemos deduzir que esses jovens recebem mais preparo e estímulo para a competição no mundo corporativo. Isto pode ser atestado pelo índice crescente de empreendedorismo que se verifica em boa parte do mundo capitalista. No Brasil, o número de microempresas, que em 1996 era de 2,9 milhões, saltou para 4,6 milhões em 2002 (último dado disponível no IBGE). É um aumento de 55,8% em seis anos.

Fonte: Andi.org.br

Print FriendlyImprimir

 


Comente


Share
Gestão de Recursos Humanos - 2021 - © Todos os direitos reservados. Produzido por
Highslide for Wordpress Plugin